Produtividade corporativa e mídia social não se misturam?

LinkedIn, Twitter, Facebook e outras se tornaram populares em pouco tempo. Da mesma forma que possibilitam benefícios, também têm armadilhas.

Por Chris Nerney, da Network World/US

26 de julho de 2011 – 07h30

A resposta do mundo empresarial para o crescimento expressivo das mídias sociais tem variado do entusiasmo à adesão à rejeição. O que uma empresa pode considerar como ferramenta fantástica para a construção e o desenvolvimento dos negócios, para outra companhia pode ser uma armadilha.

Ambas as visões estão corretas, dependendo de como as ferramentas de mídia social são usadas pelos funcionários. Abaixo veja como a mídia social pode ajudar os funcionários a tornarem-se mais produtivos e ainda outra formas que podem representar um risco.

1. Os funcionários podem encontrar a informação de que precisa mais rapidamente
A internet fez com que as informações ficassem disponíveis para as pessoas. Há um enorme valor nisso. No entanto, há uma desvantagem: a web pode tornar extremamente difícil encontrar soluções para problemas de forma rápida e fácil, mesmo quando um usuário faz uma busca específica.

Afinal, quando você  busca algo no Google, não encontra apenas uma resposta, são páginas e mais páginas com resultados de pesquisa. E eles não estão necessariamente em ordem de valor. Isso, muitas vezes, deixa os usuários consumir horas tentando localizar a resposta adequada, já que alguns retornos das buscas fornecem informações contraditórias e até mesmo imprecisas.

Mas quando os usuários se voltam para as redes sociais para localizar informações, o retorno é geralmente traduzido em respostas rápidas, úteis e precisas.

Quer um breve exemplo que muitos de vocês já devem ter passado? Cerca de três anos atrás, eu estava tentando descobrir como obter uma palavra-chave baseada em fluxo de Twitter em uma página web. Essa ação é muito comum hoje em dia, mas naquela época nem tanto.

Tentei encontrar uma solução por meio do Google, mas os resultados da pesquisa não foram úteis. Então, eu postei uma pergunta para os meus seguidores no Twitter. Em cinco minutos obtive três respostas específicas, que incluíam até links. Duas delas, recomendando o mesmo aplicativo. Pronto, problema resolvido.

Profissionais de todo o mundo tiveram experiências semelhantes, recebendo informações por meio do Twitter, Facebook, LinkedIn, Quora e outras plataformas de redes sociais.

2. Mídia social = impulsionador de networking
Networking geralmente é visto como forma de progressão na carreira, e não há dúvida de que é. Mas o networking também pode ajudá-lo a fazer do seu trabalho melhor. Como?

Participar da rede social correta de networking pode levar ao estabelecimento de contratos para os negócios, aconselhamento profissional e conhecimento das oportunidades educacionais (webinars etc) que podem melhorar o desempenho do profissional.

Além disso, uma boa rede de mídia social para estabelecer networking é um oásis de talentos profissionais. A próxima pessoa que você segue, por exemplo, pode tornar-se um amigo ou um futuro colaborador da empresa em que você trabalha.

3. Alívio do estresse
A mídia social pode ser amplamente utilizada no local de trabalho, mas quando usada com moderação, oferece uma pausa bem-vinda ao stress diário do trabalho.

Quer seja para conferir um vídeo engraçado recomendado por um amigo do Facebook ou ler um blog interessante postado por um dos seus seguidores, a social media oferece uma fuga breve que pode repor a energia dos funcionários e dar a sua mente um descanso antes de retomar o trabalho.

Um estudo publicado há dois anos por cientistas australianos da Universidade de Melbourne concluiu que trabalhadores que acessam sites de mídia social, blogs e YouTube durante o expediente registram 9% no aumento da produtividade.

4. Ajuda a fortalecer o trabalho em equipe
Essa afirmação é especialmente verdadeira para as empresas em que os funcionários trabalham em diferentes locais. Redes sociais privadas como Yammer e Wikis podem possibilitar que grupos focados em projetos mantenham a equipe atualizada de forma mais eficiente sobre o avanço do trabalho do que um e-mail ou pelo telefone.

Ver um projeto crescer pouco a pouco por meio de uma rede social interna  pode alimentar o entusiasmo, o empenho e um senso coletivo de propósito e realização.

O lado ruim
Há, no entanto, o outro lado da moeda da mídia social, que muitos dos especialistas não gostam de abordar. A mídia social pode ser [na verdade, tem provado ser], em muitos casos – um dreno de produtividade.

Estudo realizado pelo instituto de pesquisas uSamp a pedido da harmon.ie., provedora de software para redes sociais, conclui que a “proliferação de ferramentas de colaboração e mídia social está custando às empresas milhões de dólares por ano em perda de produtividade.”

A pesquisa indica três causas principais. São elas:

1. Interrupção do trabalho
Mídia social é uma fonte de interrupções constante. O levantamento, realizado com 515 usuários de e-mail que trabalham em diferentes empresas dos Estados Unidos, revela que “cerca de 60% das interrupções de trabalho envolvem o uso de ferramentas como e-mail, redes sociais, mensagens de texto e mensagens instantâneas”, diz.

Na verdade, prossegue o estudo, 45% dos funcionários trabalham apenas 15 minutos ou menos sem serem interrompidos, e 53% dos colaboradores perdem uma hora por dia devido aos tipos diversos de distrações.

2. Tentador dos fracos
Ter o seu foco interrompido é ruim. Mas alguns funcionários que optam por parar o trabalho para mergulhar em suas redes sociais é pior ainda.

Segundo a pesquisa da uSamp, dois em cada três entrevistados disseram que “interrompem uma reunião para se comunicar com outra pessoa digitalmente, respondem e-mail (48%), ligações no telefone celular (35%), conversam via IM (28%), atualizam seu status em uma rede social (12%) ou tweetam (9%).”

Durante uma reunião interna, esses números, sem dúvida, aumentam quando os empregados esperam pelos demais participantes. Por que você acha que há fazendas muito bem cuidadas em FarmVille?

3. Pensamento que flui
Constantes interrupções não apenas reduzem o tempo dos funcionários no ambiente de trabalho, como também têm impacto negativo sobre a qualidade dos pensamentos do profissional.

Como qualquer pessoa com filhos pequenos sabe, você simplesmente não pode se concentrar, se estiver o tempo todo desviando a atenção, voluntariamente ou não. Pensamento profundo exige concentração sustentada. E “agora onde eu estava?” não se qualifica como um pensamento profundo.

Veja a situação da seguinte forma: se o Facebook ou o Twitter existissem há um século, a famosa equação de Albert Einstein mostrando equivalência massa-energia poderia ter sido algo como: E = 🙂

Não há dúvidas de que ferramentas de comunicação social chegaram ao mundo corporativo para ficar. As empresas que bloqueiam o acesso a redes sociais e a sites não comerciais (quase metade limita o acesso, segundo a pesquisa) correm o risco de alienar os funcionários e perder muitas vantagens criadas pela revolução social. Provavelmente, o melhor a se fazer é focar na eficácia do profissional, e não desperdiçar tempo e a energia com uma repressão moral.

Fonte de Pesquisa

#Microsoft planeja nova #rede #social

Por Época NEGÓCIOS Online
Editora Globo

Imagem da Tulalip, nova rede social da Microsoft, antes da divulgação da notícia. A rede pode ser integrada ao Twitter e Facebook

A Microsoft está desenvolvendo uma nova rede social, a Tulalip, de acordo com o site de tecnologia norte-americano Fusible. A página do produto, ainda em desenvolvimento, vazou na web na última quinta-feira (13/07).

Ao acessar o endereço socl.com, o internauta se deparava com a frase “com Tulalip você pode encontrar o que precisa e compartilhar o que sabe mais fácil do que nunca”. Na imagem divulgada pelo Fusible, constavam botões para acessar a rede usando o Facebook ou o Twitter, indicando uma possível integração com os serviços.

Após a publicação da notícia, a Microsoft tirou a página do ar e anunciou que a Socl.com é um projeto interno do time da Microsoft Research, sem dar mais detalhes.

Fonte de Pesquisa